Atualidade
Quatro estudantes aprendem a ser bombeiros na Batalha
Março/2017 | Ana Moniz, João Gaspar 11.° B, Maria Inês 12.° A, Joana Bagagem 12.°B

Quatro alunos da Escola Secundária estão fazer a formação nos Bombeiros Voluntários da Batalha. Em entrevista ao Alfabeto contam a sua experiência.



Os interessados em frequentar este curso de formação devem dirigir-se ao quartel dos bombeiros. O que vos levou a fazer esta formação?



Andreia Alves (17 anos,11.º B)
– Fui pela adrenalina, por gostar da parte da saúde, e claro, para ajudar os outros.



Francisca Alves (17 anos,11.º C)
- A maneira como vi a minha irmã e o meu pai sairem do quartel, na primeira reunião despertou-me curiosidade.



David Almeida (19 anos, 12.º V)
- Um sonho de criança e a adrenalina de fazer o bem.



Carlos Fonseca (18 anos,11.º D)
- Cresci naquele ambiente. É uma coisa que eu sempre quis para a minha vida. O que aprendem no curso?



Francisca
- No nosso curso, aprendemos técnicas para ajudar quem está em perigo (nas mais diversas situações), sem nos colocarmos a nós em perigo.



Andreia
- Neste curso, são-nos dados os conhecimentos necessários para podermos agir perante diversas situações.



Temos partes teóricas e partes práticas. No final do curso, fazemos um teste que determina se somos ou não promovidos a bombeiro de 3.ª classe. Além de nos ensinarem como agir perante as situações, ensinam-nos a superar medos, a ajudarmo-nos uns aos outros e a ajudar o outro, sem nos pormos em perigo.



O curso é como esperavam?



Francisca
- Superou em muito as minhas expetativas.



Andreia
- Não criei nenhuma imagem do curso. Quando cheguei às primeiras aulas vi que era como andar na escola, temos aulas teóricas e práticas. O que me surpreendeu mais foi o facto de termos criado um ambiente cinco estrelas e de estarmos numa escola onde não há competição e médias, mas sim uma entreajuda dos alunos para que possamos chegar todos ao final do curso.



Querem seguir a carreira de bombeiro?



Carlos
- Vou continuar a minha carreira como bombeiro voluntário, mas não penso ser bombeiro profissional.



Francisca
- Neste momento, não penso ser bombeira profissional, só voluntária, mas um dia talvez.



David
- Talvez, é uma opção de vida, mas, neste momento, penso numa carreira militar.



Andreia
- Quero seguir a carreira de bombeira como voluntária e não como profissional, mas o dia de amanhã ninguém o sabe.



O que pensam do trabalho dos bombeiros?



David
- Na minha opinião, o trabalho dos bombeiros é muito gratificante, porque temos a sensação de estarmos a fazer o bem e a ajudar quem mais precisa, mesmo que não nos agradeçam.



Francisca
- Penso que não é fácil, mas é um trabalho gratificante.



Andreia
- É um trabalho que só é reconhecido no verão, mas é um trabalho desenvolvido durante todo o ano.



Como descobriram o curso?



Andreia e Francisca
- Por um colega bombeira.



Carlos e David
- O 2.º comandante perguntou-nos se queríamos entrar na nova escola de bombeiros e aceitámos.